Vida

Biografia do jornalista C Wright Mills

Biografia do jornalista C Wright Mills

Charles Wright Mills (1916-1962), conhecido popularmente como C. Wright Mills, era um sociólogo e jornalista de meados do século. Ele é conhecido e célebre por suas críticas às estruturas de poder contemporâneas, seus tratados espirituosos sobre como os sociólogos devem estudar problemas sociais e se envolver com a sociedade e suas críticas ao campo da sociologia e da profissionalização acadêmica dos sociólogos.

Infância e educação

Mills nasceu em 28 de agosto de 1916, em Waco, Texas. Como seu pai era vendedor, a família se mudou muito e morou em muitos lugares do Texas enquanto Mills crescia e, como resultado, ele viveu uma vida relativamente isolada, sem relacionamentos íntimos ou contínuos.

Mills iniciou sua carreira universitária na Texas A&M University, mas completou apenas um ano. Mais tarde, ele freqüentou a Universidade do Texas em Austin, onde concluiu o bacharelado em sociologia e o mestrado em filosofia em 1939. Nesse ponto, Mills havia se posicionado como uma figura importante na sociologia publicando nos dois principais periódicos da área. ("American Sociological Review" e "American Journal of Sociology") enquanto ainda era aluno.

Mills obteve um Ph.D. em sociologia pela Universidade de Wisconsin-Madison em 1942, onde sua dissertação se concentrou no pragmatismo e na sociologia do conhecimento.

Carreira

Mills iniciou sua carreira profissional como Professor Associado de Sociologia na Universidade de Maryland, College Park, em 1941, e trabalhou lá por quatro anos. Durante esse período, ele começou a praticar sociologia pública, escrevendo artigos jornalísticos para veículos como "The New Republic", "The New Leader" e "Politics".

Após seu cargo em Maryland, Mills assumiu o cargo de pesquisador associado no Bureau of Applied Social Research da Columbia University. No ano seguinte, foi nomeado professor assistente no departamento de sociologia da universidade e, em 1956, foi promovido ao posto de professor. Durante o ano acadêmico de 1956-57, Mills teve a honra de servir como professor da Fulbright na Universidade de Copenhague.

Contribuições e Realizações

O foco principal do trabalho de Mills foram os assuntos de desigualdade social, o poder das elites e seu controle da sociedade, a diminuição da classe média, a relação entre os indivíduos e a sociedade e a importância da perspectiva histórica como parte essencial do pensamento sociológico.

A obra mais influente e famosa de Mills, "The Sociological Imagination" (1959), descreve como devemos abordar o mundo se queremos ver e entender como o sociólogo faz. Ele enfatiza a importância de ver as conexões entre os indivíduos e a vida cotidiana e as maiores forças sociais que constituem e percorrem a sociedade, e a importância de entender nossas vidas contemporâneas e nossa estrutura social no contexto histórico. Mills argumentou que fazer isso era uma parte importante para entender que o que geralmente percebemos como "problemas pessoais" são de fato "questões públicas".

Em termos de teoria social contemporânea e análise crítica, "The Power Elite" (1956) foi uma contribuição muito importante feita por Mills. Como outros teóricos críticos da época, Mills estava preocupado com o surgimento de uma racionalidade tecnológica e uma burocratização intensificada após a Segunda Guerra Mundial. Este livro serve como um relato convincente de como as elites militares, industriais / corporativas e governamentais foram criadas e como elas mantêm uma estrutura de poder intimamente interligada que controla a sociedade em seu benefício às custas da maioria.

Outros trabalhos importantes de Mills incluem "De Max Weber: Ensaios em Sociologia" (1946), "Os Novos Homens do Poder" (1948), "Colarinho Branco" (1951), "Caráter e Estrutura Social: A Psicologia do Social" ( 1953), "As Causas da Terceira Guerra Mundial" (1958) e "Listen, Yankee" (1960).

Mills também é creditado com a introdução do termo "Nova Esquerda" quando ele escreveu uma carta aberta em 1960 para os esquerdistas do dia.

Vida pessoal

Mills foi casado quatro vezes com três mulheres e teve um filho com cada uma. Ele se casou com Dorothy Helen "Freya" Smith em 1937. Os dois se divorciaram em 1940, mas se casaram novamente em 1941, e tiveram uma filha, Pamela, em 1943. O casal se divorciou novamente em 1947, e no mesmo ano Mills se casou com Ruth Harper, que também trabalhava. no Bureau of Applied Social Research em Columbia. Os dois também tiveram uma filha, Kathryn, nascida em 1955. Mills e Harper se separaram após o nascimento e se divorciaram em 1959. Mills se casou pela quarta vez em 1959 com Yaroslava Surmach, uma artista. Seu filho Nikolas nasceu em 1960.

Ao longo desses anos, Mills relatou ter tido muitos casos extraconjugais e era conhecido por ser combativo com seus colegas e colegas.

Morte

Mills sofreu um problema cardíaco prolongado em sua vida adulta e sobreviveu a três ataques cardíacos antes de finalmente sucumbir a um quarto em 20 de março de 1962.

Legado

Mills é lembrado como um sociólogo americano profundamente importante, cujo trabalho é essencial para a forma como os alunos são ensinados sobre o campo e a prática da sociologia.

Em 1964, ele foi homenageado pela Society for the Study of Social Problems com a criação do anual C. Wright Mills Award.

Assista o vídeo: Charles Wright Mills (Julho 2020).