Novo

Definição, exemplos e relacionamentos de comensalismo

Definição, exemplos e relacionamentos de comensalismo

O comensalismo é um tipo de relacionamento entre dois organismos vivos, no qual um organismo se beneficia do outro sem prejudicá-lo. Uma espécie comensal se beneficia de outra espécie obtendo locomoção, abrigo, alimento ou apoio das espécies hospedeiras, as quais (na maior parte) não beneficiam nem são prejudicadas. O comensalismo varia de breves interações entre espécies a simbiose ao longo da vida.

Definição de comensalismo

O termo foi cunhado em 1876 pelo paleontólogo e zoólogo belga Pierre-Joseph van Beneden, juntamente com o termo mutualismo. Beneden inicialmente aplicou a palavra para descrever a atividade de animais comedores de carcaça que seguiam predadores para comer seus restos de comida. A palavra comensalismo vem da palavra latina commensalis, que significa "compartilhar uma tabela". O comensalismo é discutido com mais frequência nos campos da ecologia e da biologia, embora o termo se estenda a outras ciências.

Termos relacionados ao comensalismo

O comensalismo é frequentemente confundido com palavras relacionadas:

Mutualismo - Mutualismo é uma relação em que dois organismos se beneficiam.

Amensalismo - Uma relação em que um organismo é prejudicado enquanto o outro não é afetado.

Parasitismo - Uma relação em que um organismo se beneficia e o outro é prejudicado.

Muitas vezes há debate sobre se um relacionamento em particular é um exemplo de comensalismo ou outro tipo de interação. Por exemplo, alguns cientistas consideram o relacionamento entre pessoas e bactérias intestinais um exemplo de comensalismo, enquanto outros acreditam que é mutualista porque os humanos podem obter um benefício com o relacionamento.

Exemplos de comensalismo

  • Os peixes Remora têm um disco na cabeça que os torna apegados a animais maiores, como tubarões, mantas e baleias. Quando o animal maior se alimenta, a remora se desprende para comer o alimento extra.
  • As plantas enfermeiras são plantas maiores que oferecem proteção às mudas contra o clima e os herbívoros, dando-lhes uma oportunidade de crescer.
  • As pererecas usam plantas como proteção.
  • Os chacais dourados, depois de expulsos de um bando, seguirão um tigre para se alimentar dos restos de suas mortes.
  • Os peixes Goby vivem em outros animais marinhos, mudando de cor para se misturar com o hospedeiro, ganhando proteção contra predadores.
  • Garças-bois comem os insetos estimulados pelo gado quando estão pastando. O gado não é afetado, enquanto os pássaros ganham comida.
  • A planta de bardana produz sementes espinhosas que se agarram ao pêlo de animais ou roupas de seres humanos. As plantas contam com esse método de dispersão de sementes para reprodução, enquanto os animais não são afetados.

Tipos de comensalismo (com exemplos)

Inquilinismo - No inquilinismo, um organismo usa outro para habitação permanente. Um exemplo é um pássaro que vive em um buraco de árvore. Às vezes, as plantas epífitas que crescem nas árvores são consideradas iniquilismos, enquanto outras podem considerar que isso seja uma relação parasitária porque o epífita pode enfraquecer a árvore ou consumir nutrientes que, de outra forma, seriam direcionados ao hospedeiro.

Metabiose - Metabiose é uma relação comensalista na qual um organismo forma um habitat para outro. Um exemplo é um caranguejo eremita, que usa uma concha de um gastrópode morto para proteção. Outro exemplo seria larvas vivendo em um organismo morto.

Poresy - Na esporia, um animal se liga ao outro para o transporte. Esse tipo de comensalismo é mais frequentemente visto em artrópodes, como os ácaros que vivem em insetos. Outros exemplos incluem apego de anêmona a conchas de caranguejo eremita, pseudoescorpiões que vivem em mamíferos e milípedes viajando em pássaros. A esporia pode ser obrigatória ou facultativa.

Microbiota - Microbiota são organismos comensais que formam comunidades dentro de um organismo hospedeiro. Um exemplo é a flora bacteriana encontrada na pele humana. Os cientistas discordam se a microbiota é realmente um tipo de comensalismo. No caso da flora da pele, por exemplo, há evidências de que as bactérias conferem alguma proteção ao hospedeiro (o que seria mutualismo).

Animais domesticados e comensalismo

Cães domésticos, gatos e outros animais parecem ter começado com relacionamentos comensais com humanos. No caso do cão, as evidências de DNA indicam que os cães se associaram às pessoas antes que os humanos passassem da coleta de caça para a agricultura. Acredita-se que os ancestrais dos cães seguiam caçadores para comer restos de carcaças. Com o tempo, o relacionamento tornou-se mutualista, onde os humanos também se beneficiaram do relacionamento, ganhando defesa de outros predadores e ajudando a rastrear e matar presas. À medida que o relacionamento mudou, as características dos cães também mudaram.

Referência: Larson G (2012). "Repensando a domesticação de cães, integrando genética, arqueologia e biogeografia". Anais da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América. 109: 8878-83.