Interessante

Nada como o sol (1964) por Anthony Burgess

Nada como o sol (1964) por Anthony Burgess

Anthony Burgess's Nada como o sol (1964) é um relato altamente fascinante, embora ficcional, da vida amorosa de Shakespeare. Em 234 páginas, Burgess consegue apresentar seu leitor a um jovem Shakespeare que se desenvolve na masculinidade e desajeitadamente atrapalhando sua primeira escapada sexual com uma mulher, através do romance longo e famoso (e contestado) de Shakespeare com Henry Wriothesley, 3rd Conde de Southampton e, finalmente, até os últimos dias de Shakespeare, o estabelecimento do teatro The Globe e o romance de Shakespeare com "The Dark Lady".

Burgess tem um comando para o idioma. É difícil não ficar impressionado e um pouco impressionado com sua habilidade como contador de histórias e imagista. Enquanto, da maneira típica, ele tende a romper em pontos prosaicos em algo mais parecido com Gertrude Steine ​​(fluxo de consciência, por exemplo), na maioria das vezes ele mantém esse romance em uma forma bem afinada. Isso não será novidade para os leitores de seu trabalho mais conhecido, Laranja mecânica (1962).

Há um arco excepcional nessa história, que leva o leitor desde a infância de Shakespeare até sua morte, com personagens comuns interagindo regularmente e com um resultado final. Até os personagens secundários, como a secretária de Wriothesley, são bem estabelecidos e facilmente identificáveis, uma vez descritos.

Os leitores também podem apreciar as referências a outras figuras históricas da época e como elas afetaram a vida e as obras de Shakespeare. Christopher Marlowe, Lord Burghley, Sir Walter Raleigh, Rainha Elizabeth I e "The University Wits" (Robert Greene, John Lyly, Thomas Nashe e George Peele) aparecem todos ou são referenciados ao longo do romance. Suas obras (assim como as obras dos classicistas - Ovídio, Virgílio; e dos primeiros dramaturgos - Seneca, etc) são claramente definidas em relação ao seu impacto nos desenhos e interpretações de Shakespeare. Isso é altamente informativo e simultaneamente divertido.

Muitos gostarão de ser lembrados de como esses dramaturgos competiram e trabalharam juntos, de como Shakespeare foi inspirado e por quem, e de como a política e o período de tempo desempenharam um papel importante nos sucessos e fracassos dos jogadores (Greene, por exemplo, morreu doentio e envergonhado; Marlowe caçou como ateu; Ben Jonson foi preso por escrever traição e Nashe escapou da Inglaterra pelo mesmo motivo).

Dito isto, Burgess exige muita licença criativa, embora bem pesquisada, da vida de Shakespeare e dos detalhes de seu relacionamento com várias pessoas. Por exemplo, enquanto muitos estudiosos acreditam que os sonetos de "The Rival Poet" dos "The Fair Youth" sejam Chapman ou Marlowe devido a circunstâncias de fama, estatura e riqueza (ego, essencialmente), Burgess rompe com a interpretação tradicional de "The Rival Poet ”para explorar a possibilidade de Chapman ser, de fato, um rival da atenção e do carinho de Henry Wriothesley e, por esse motivo, Shakespeare ficou com inveja e crítica de Chapman.

Da mesma forma, as relações finalmente subestimadas entre Shakespeare e Wriothesley, Shakespeare e "The Dark Lady" (ou Lucy, neste romance), e Shakespeare e sua esposa, são todas em grande parte ficcionais. Embora os detalhes gerais do romance, incluindo acontecimentos históricos, tensões políticas e religiosas e rivalidades entre os poetas e os jogadores, sejam todos bem imaginados, os leitores devem ter cuidado para não confundir esses detalhes com fatos.

A história é bem escrita e agradável. Também é um vislumbre fascinante da história desse período, em particular. Burgess lembra o leitor de muitos medos e preconceitos da época e parece ser mais crítico para Elizabeth I do que o próprio Shakespeare. É fácil apreciar a inteligência e a sutileza de Burgess, mas também sua abertura e franqueza em termos de sexualidade e relacionamentos tabus.

Por fim, Burgess quer abrir a mente do leitor para as possibilidades do que poderia ter acontecido, mas que nem sempre é explorado. Podemos comparar Nada como o sol para outras pessoas no gênero "não-ficção criativa", como o de Irving Stone Luxúria pela Vida (1934). Quando o fazemos, devemos admitir que os últimos são mais honestos com os fatos que os conhecemos, enquanto os primeiros têm um escopo um pouco mais aventureiro. No geral, Nada como o sol é uma leitura altamente informativa e agradável, oferecendo uma perspectiva interessante e válida sobre a vida e os tempos de Shakespeare.

Assista o vídeo: La Línea: the prison diary of Anthony Burgess (Julho 2020).