Rever

A história e os antecedentes da Frente de Libertação Animal (ALF)

A história e os antecedentes da Frente de Libertação Animal (ALF)

A Frente de Libertação de Animais (ALF) não tem uma data de origem firmemente estabelecida. Foi fundada no final dos anos 70 ou no início dos anos 80. A ALF mantém uma associação com a PETA (Pessoas para o tratamento ético dos animais). Em meados da década de 1980, o PETA frequentemente relatava à imprensa quando ativistas anônimos da ALF levavam animais de laboratórios dos EUA.

Os ativistas da ALF também estão intimamente associados ao Stop Huntington Animal Cruelty (SHAC), um movimento que visa encerrar a Huntingdon Life Sciences, uma empresa européia de testes em animais. Ações contra o HLS incluíram propriedades de bombardeio.

Os Gabinetes de Imprensa sobre Libertação de Animais, que operam em vários continentes, emitem declarações em nome não apenas da ALF, mas também de grupos mais militantes, como a Militia dos Direitos dos Animais, que emergiram à vista do público em 1982, quando assumiram a responsabilidade por uma bomba-bomba enviada para a ALF. a ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher e vários legisladores ingleses.

Objetivo

O objetivo da ALF, em seus próprios termos, é acabar com o abuso de animais. Eles fazem isso 'libertando' os animais de situações de exploração, como em laboratórios onde são usados ​​para experimentos e causando danos financeiros aos 'exploradores de animais'.

De acordo com o site atual do grupo, a missão da ALF é "alocar efetivamente recursos (tempo e dinheiro) para acabar com o" status de propriedade de animais não humanos ". O objetivo da missão é" abolir a exploração institucionalizada de animais, porque pressupõe que os animais são propriedade. . "

Táticas e Organização

De acordo com a ALF, "como as ações da ALF podem ser contrárias à lei, os ativistas trabalham anonimamente, em pequenos grupos ou individualmente, e não têm nenhuma organização ou coordenação centralizada". Indivíduos ou pequenos grupos tomam a iniciativa de agir em nome da ALF e, em seguida, relatam suas atividades a um de seus escritórios de imprensa nacionais. A organização não possui líderes, nem pode realmente ser considerada uma rede, pois seus vários membros / participantes não se conhecem, nem mesmo um ao outro. Ele se autodenomina um modelo de 'resistência sem liderança'.

Há uma certa ambiguidade sobre o papel da violência para o grupo. A ALF compromete-se a não prejudicar "animais humanos ou não humanos", mas seus membros adotaram ações que podem ser consideradas justificadamente ameaçadoras da violência contra as pessoas.

Origens e Contexto

A preocupação com o bem-estar animal tem uma história que remonta ao final do século XVIII. Historicamente, os protecionistas de animais, como eram conhecidos, focavam-se em garantir que os animais fossem bem tratados, mas de dentro de uma estrutura humanista que visse os seres humanos como responsáveis ​​pelas outras criaturas da Terra. A partir da década de 1980, houve uma mudança notável nessa filosofia, em direção a uma compreensão de que os animais têm "direitos" autônomos. Segundo alguns, esse movimento era essencialmente uma extensão do movimento dos direitos civis.

De fato, um dos participantes de uma invasão de 1984 na Universidade da Pensilvânia para recuperar animais usados ​​em experimentos científicos, disse na época que:

Podemos parecer radicais para você. Mas somos como os abolicionistas, que também eram considerados radicais. E esperamos que daqui a 100 anos as pessoas olhem para trás, como os animais são tratados agora com o mesmo horror que quando olhamos para o tráfico de escravos.
(citado em "Direitos dos animais: um movimento crescente nos EUA", de William Robbins, New York Times, 15 de junho de 1984).

Os ativistas dos direitos dos animais estão se tornando cada vez mais militantes desde meados da década de 1980 e cada vez mais dispostos a ameaçar pessoas, como pesquisadores de animais e suas famílias, bem como funcionários de empresas. O FBI nomeou a ALF uma ameaça terrorista doméstica em 1991, e o Departamento de Segurança Interna seguiu o exemplo em janeiro de 2005.

Ações notáveis

  • Julho de 1984: ativistas da ALF roubaram três gatos, dois cães e oito pombos dos laboratórios da Universidade da Pensilvânia
  • A ALF e a Frente de Libertação da Terra (ELF) assumiram a responsabilidade de quebrar as janelas do Bank of New York e publicar grafites como "BNY Kills Puppies" para protestar contra os negócios do banco com a Huntingdon Life Sciences.
  • 2004: A construção de um laboratório de pesquisa da Universidade de Oxford com o objetivo de incluir experimentação animal foi interrompida após vandalizações repetidas no local da construção e ameaças aos acionistas, atribuídas à ALF
  • 2006: A ALF assumiu a responsabilidade de deixar um dispositivo incendiário no alpendre da pesquisadora da UCLA Lynn Fairbank por seu trabalho como "matador de macacos sádicos".